Regime caixa não é um regime contábil

No programa Conversando sobre Contabilidade de 15/5, o Contador e Professor Salézio Dagostim esclarece que “regime contábil” é aquele utilizado pela ciência contábil para apurar o valor do patrimônio das pessoas. Para isso, é necessário o registro das dívidas e dos valores a receber. Sendo assim, o “regime caixa” não é um regime contábil, mas um regime tributário, porque o patrimônio não é apurado através dele.

 

Significado do termo "contabilizar"

No programa Conversando sobre Contabilidade desta semana, 15/5, o Contador e Professor Salézio Dagostim salienta que o termo “contabilizar” deve ser usado somente quando o objetivo do contador for integrar o fato ocorrido no patrimônio monetário das pessoas. Do ponto de vista técnico, então, o termo “contabilizar” implica, necessariamente, o reconhecimento do “débito” e do “credito” ao fazer o registro para integrá-lo no patrimônio.

 

Sobre a desvalorização do curso de Ciências Contábeis

No programa Conversando sobre Contabilidade de 17/4, o Contador e Professor Salézio Dagostim explica por que nossos jovens não são mais orientados a estudar contabilidade, por que o curso de Ciências Contábeis é tão desvalorizado.

* Correção: Em 2010, o termo “contabilista” deixou de figurar na Lei; e, em 2015, os técnicos em contabilidade deixaram de ser registrados no CRC.

 

Sobre a valorização do Contador

Autor: Contador Salézio Dagostim

É de conhecimento comum que o curso de Ciências Contábeis não é citado como um curso importante pela imprensa e pela sociedade quando se fala de cursos universitários, que é um curso que não aparece na mídia e que dificilmente alguém orienta os jovens a ingressarem nele. Em razão disto, frequentemente nos pedem para que escrevamos sobre os motivos pelos quais o curso de Ciências Contábeis e a profissão de contador não possuem o mesmo prestígio ou valorização que as outras profissões universitárias.

Temos dito que quem efetivamente valoriza os profissionais, e, por consequência, os cursos que formam estes profissionais, é a sociedade. Para que a sociedade valorize uma profissão, ela precisa saber para que os seus profissionais servem. Vejamos: Quando alguém vê o seu direito sendo ofendido, usurpado, ele procura logo um advogado. Esta pessoa sabe que as leis são o campo de trabalho dos advogados. Quando alguém está com uma dor em seu corpo, procura um médico. Se o seu bichinho de estimação estiver com problemas de saúde, ela procura um veterinário. Se estiver com dor de dente, um dentista, e assim sucessivamente… Uma profissão é valorizada quando a sociedade sabe para que ela serve.

Vale notar que existe uma diferença entre profissão valorizada e profissional valorizado. A profissão é valorizada quando a sociedade sabe para que o profissional serve (seja ele advogado, médico, veterinário, dentista). Já o profissional é valorizado quando resolve o problema do cliente. O advogado é valorizado quando ganha a demanda questionada; o médico, quando cura a doença do paciente; o veterinário, quando cura a do animal; o dentista, quando cura a dor de dente; e assim por diante.

Agora, para saber se o curso de Ciências Contábeis, curso que forma o contador, é devidamente valorizado, é preciso indagar para que serve este profissional, qual o seu campo de trabalho e qual o problema que ele irá resolver para solucionar a demanda da sociedade. Você sabe responder estas questões? Ora, se você tem dificuldade para responder estes questionamentos, certamente todos terão a mesma dificuldade. Se a sociedade não sabe exatamente para que serve o contador, como ela irá valorizá-lo? Como ela irá chamar este profissional para resolver os seus problemas?

Então, o que é preciso fazer para valorizar a profissão? É preciso realizar uma ampla campanha publicitária informando à sociedade que o contador é o responsável por resolver os problemas que envolvem o patrimônio monetário das pessoas, oferecendo propostas para dar solução a estes problemas. Se ela não vem pagando as suas contas em dia, é preciso chamar o contador. Se ela quiser saber por que vem operando com prejuízo, é hora de chamar o contador. Se ela quiser saber por quanto um produto deve ser vendido, qual a quantidade de produtos que devem ser vendidos para não ter prejuízo, qual a melhor modalidade de apurar os resultados para reduzir a carga tributária, quanto representa o custo da mão de obra na composição dos produtos, como o seu patrimônio está constituído, em qualquer um destes casos, é necessário chamar o contador. Se ela quiser saber o valor do seu patrimônio ou se quiser prestar contas de sua gestão. Enfim, todos os assuntos que envolvem o patrimônio são assuntos do contador, e isto precisa estar bem claro para a sociedade. Defender as leis é com o advogado; tratar da saúde humana, é com o médico; da saúde animal, com o veterinário; e da saúde patrimonial, é com o contador.

Uma vez que a sociedade entenda que os alunos de contabilidade estudam o patrimônio das pessoas e que o contador é o profissional responsável por solucionar os problemas que elas têm com os seus patrimônios, certamente os pais dos jovens passarão a orientar seus filhos a estudarem contabilidade. A imprensa passará a entender que a contabilidade estuda o patrimônio das pessoas, e, quando os assuntos envolverem este campo de trabalho, certamente as pessoas irão chamar o contador para se manifestar a respeito. E, assim, a profissão começará a ser realmente valorizada e reconhecida pela sociedade.